Será um país?

Quem é que explicou a este primeiro ministro que a diminuição da procura diminui o desemprego?

Ainda que baixem os custos do trabalho, alguém acredita que as empresas vão criar emprego se a procura interna, e por isso as vendas, continuar a contrair como têm contraído, ou acelerar ainda mais a sua queda? É que custa até custa a acreditar … 

Há algum ‘petróleo no beato’? É que se não há, por mais que aumentem as exportações (oxalá), que país teremos sem mercado interno? Será um país sem gente dentro… será um país?

 

 

 

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

4 respostas a Será um país?

  1. Pedro Pinheiro diz:

    O Primeiro Ministro já alguns meses aconselhou à emigração, não os considero ingénuos, tem bons conselheiros e, sabem que esse caminho se conjuga com a sua política economica de sobrevivência. Há pessoas a mais, sobretudo se forem impeçilhos para a recuperação. A humanidade, filantropia, não está presente nesta espécie de darwinismo social.
    Genuinamente, a preocupação não é o desemprego, nem as pessoas( pode-se reduzir o subsídio de desemprego para uns meros meses,saúde cara,aumentar a idade da reforma,etcetc), sob o jugo da dívida. Contudo, e agora respondo à sua última pergunta, este país será dos imunes(termo utilizado pelo filósofo José Gil), ou seja, daqueles que toda esta austeridade não atinge e, impassíveis perante o desespero dos outros…..

  2. Jorge Bravo diz:

    Quando do Crash de 2008 nos USA prometeram acabar com os produtos financeiros “opacos e sofisticados”, Subprime’s, CDS, Banquesurance Overnight´s, Swaps, Short Selling’s, Hedge Funds, Buy In’s, Off-Shores, Rating Agence, Bubbles and Super Bubbles.
    Sendo mesmo elaborado o Relatório Podimata (Paraísos Fiscais e Corrupção ao mais alto nível) em 2011.

    Obama tenta desde que foi eleito, ser ouvido, Krugman também!

    Até George Soros, ele próprio um especulador financeiro e Warren Buffet, o terceiro investidor mundial, estão há muito a pedir uma repartição mais justa dos impostos e um travão na especulação, até porque não convém matar a galinha dos ovos de oiro.

    O resultado é que os “Produtos Financeiros “ estão ainda mais opacos e tenham tanta “Sofisticação Estrutural” que se transformaram ainda mais em “Esquema Piramidais em Roda Livre” e a especulação deslocou-se para o “Jogo dos Ratings das Dividas Soberanas” que irá estoirar irremediavelmente, na próxima crise, causada por uma bolha qualquer.

    Por cá?!
    Prometeu-se Renegociar as PPP e Moralizar as Finanças Publicas, Repartir os Sacrifícios, Minorar o Compadrio, a Corrupção e o Videirismo!
    Minorar só, diga-se de passagem, não acabar!
    Nada feito!
    >>> Só JOTINHAS seguidistas partidários, do tristemente celebre CNJ de 1989 de um lado e do outro, e o Farisaísmo Hipócrita no mais alto nível do estado!
    Não têm nenhuma noção de geoestratégia, por muito elementar que seja, como por exemplo, o saber a Geografia Económica e História Economica dos ultimos 500 anos?
    Será que não aprenderam nada nos cursos que dizem que tiraram, ou mesmo da pouca vida que têm?

    Os resultados, nem lá nem cá estão a resultar em algo parecido com uma moralização do sistema!

    Ao entregar a condução dos destinos das Nações aos “Políticos de Pacotilha” e aos mesmos Financeiros e Consultores que causaram a crise, por mor de uma quimérica e suposta pureza e eficácia tecnocrática, manteve-se a mesma forma de actuar, agora sob a forma de impostos draconianos para salvar as Dívidas Soberanas, secando a classe média e mesmo a média alta de toda a liquidez proletarizando-a, e remetendo a classe baixa menos qualificada para a mais abjecta miséria.

    Não se faz objectivamente mais, do que perpétuar o “Capitalismo de Casino” por mor dos Mercados, porque “Os responsáveis políticos comportam-se demasiadas vezes como marionetas que se preocupam, sobretudo, em não incomodar o festim dos banqueiros” (Serge Halimi Le Monde Diplomatique, maio/2011, 1), tanto mais porque, tal com dizia David Millard, “longe de serão naturais os mercados são políticos”.
    Está assim estabelecido em definitivo o “Fascismo de Mercado” tal como previsto em 1980 por Bertram Gross e Paull Samuelson.
    Julgo que fica claro que:

    1-Não É por Incompetência.
    2- Não É por Inabilidade
    3- Não É por Não se Darem ao Trabalho de Olhar para os Números que Eles Próprios Publicam
    4-Não É por Não Terem Opinião Própria
    5- Não É Sequer por Pura Burrice.

    É:

    A- Metódicamente Planeado
    B- Metodicamente Propagandeado
    C- Metódicamente Generalizado
    D- Metódicamente Executado
    E- Metodicamente Global

    Donde se conclui que:

    TRATA-SE DE UMA URDIDURA GLOBAL, DA USURA E DA GANANCIA, DO FINANCISMO INTERNACIONAL.
    O que denota a falta de ética das concepções do Financismo Internacional e dos seus apoiantes Neoliberais, a que toda a austeridade não atinge, e que passam impassíveis, ativos e soberbos, perante o desespero dos outros.
    Até que este Fascismo Financeiro, porque na realidade é isso que se tem provado que é o Financismo Internacional, tenha que ser travado tal como o outro Fascismo da década de 40, por uma nova convulsão mundial também não pacifica, que obrigue a tomar medidas drásticas e reais, como as que foram tomadas com o New Deal e Keynesianismo.

  3. Pedro Pinheiro diz:

    Caro Jorge Bravo
    Concordo na plenitude em tudo o que afirmou, incluindo na ideologia subjacente.
    A passagem das bolhas especulativas fruto dos produtos estruturados para o problemas das dívidas dos estados, Krugman chama a esse fato, a grande mentira americana, na Europa, chama-lhe a grande ilusão, ou seja, não perceberam efetivamente as causas da crise, por acaso, tenho outra impressão, e acredito em conluio com EUA, a Europa também enviesou o problemas da especulação financeira para o problemas das dívidas dos estados. Repare que nunca mais se ouviu falar de uma regulamentação seria da banca, já são vitimas dos gastos dos estados etecetc
    Cumprimentos

  4. Jorge Bravo diz:

    Caro Pedro Pinheiro
    Nem mais! O que digo só peca por defeito, porque basta ter-se assistido a meia dúzia de reuniões destes Iluminados de Luzes Apagadas para se ver a um quadro ainda mais negro!
    Até que todos se podem detestar, e estar todos em litígio com todos, mas logo que se põe a questão de como ganhar mais dinheiro e maximizar os proveitos, no meio de tudo sobressai logo uma bissetriz comum, que informalmente tardo ou cedo é implantada, e lá se vai a Responsabilidade Corporativa e a Ética e os Valores.
    Até porque se um o não fizer outros o irão fazer e lhes passam para a frente, e isso é demais para eles!
    É este movimento inorgânico comandado por uma “Logica Fuzzy de Grupo de Interesses”, que arrasta tudo para um Movimento Concertado Auto Comandado, que não devia ser concertado, mas acaba por o ser!
    Depois o navegar à vista da “Geoestratégia dos Interesses dos Blocos Geoeconómicos” mantem não regulado o sistema enquanto lhe convier!
    Enfim uma forma de obter vantagem decisiva numa Guerra Económica, que todos negam que haja, mas que Existe!

Os comentários estão fechados.